Pré-estreia em prol do Lar reúne a comunidade

No último dia 23, o Lar das Crianças da CIP promoveu a pré-estreia da peça Meu Deus!, com os atores Dan Stulbach, Irene Ravache e Pedro Carvalho. O texto, da dramaturga israelense Anat Gov, é dirigido por Elias Andreato.

 

Mais de 500 convidados acompanharam a história da psicóloga Ana, que é procurada por Deus para que o ajude a entender e resolver o estado de depressão em que se encontra há dois mil anos.

 

Prestigiaram a pré-estreia o presidente da Congregação Israelita Paulista, Sergio Kulikovsky, e sua esposa, Tatiana Heilbut Kulikovsky, que também é vice-presidente de Relacionamento com o Sócio da mesma instituição; além de representantes das demais vice-presidências e diretorias. Pela Federação Israelita do Estado de São Paulo, compareceu o vice-presidente executivo Ricardo Berkiensztat. O vereador Eliseu Gabriel, assim como as voluntárias e a ex-diretora do Lar das Crianças, Margrit Herzberg, também marcou presença.

 

A presença dos apoiadores do Lar também foi festejada: Esther Shattan, da Ornare; Ira Grinberg e Marlene Daniel, da Fundação Elijass Gliksmanis; Mary Nigri, do Quattrino; e Paulo Eugenio Schonenberg, Roberto Carlos Pestana e Luis Geraldo Schonenberg, do Grupo Sifra.

 

Antes do início da apresentação, o rabino Ruben Sternschein e a diretora do Lar das Crianças, Luciana Mautner, agradeceram a presença do público e, com muita alegria, compartilharam as mais recentes conquistas dos jovens do projeto Passaporte para a Vida.

 

Após a apresentação, o ator Dan Stulbach convidou o público para permanecer no local e participar, junto com o elenco e com o rabino Ruben, de um bate-papo sobre a peça e sobre a questão da crença em Deus.

 

“Foi uma honra para nós, do Lar das Crianças, podermos comemorar as conquistas dos nossos jovens nos vestibulares com uma plateia lotada e formada por pessoas preocupadas e engajadas em questões sociais como a que o Lar desenvolve há 77 anos. Uma noite inesquecível”, comentou a diretora Luciana Mautner.

 

“Em todos os tempos, a teologia judaica permitiu-se brincar com Deus e, assim, aproximá-lo do humano. Supor que sabemos exatamente quem Deus é, como funciona e o que quer, seria uma arrogância herética. Já brincar de aproximá-lo de nossas sensações, medos, dúvidas e culpas é levá-lo a sério. Apresentar esse enfoque, que caracteriza a peça “Meu Deus”,  em um evento de apoio ao Lar das Crianças faz todo o sentido, pois são os projetos sociais como esse que realizam o aspecto humano do que acreditamos ser divino”, comentou o rabino Ruben Sternschein.